O cortador de pedra

Era uma vez um simples quebrador de pedras que estava insatisfeito consigo mesmo e com a sua posição na vida.
Certo dia, passou em frente à casa de um comerciante abastado.
Através da porta, viu muitos objetos valiosos e luxuosos, bem como importantes figuras que frequentavam a mansão.
“Quão poderoso é este mercador!” – pensou o quebrador de pedras.
Sentiu-se muito invejoso e desejou poder ser como o comerciante.
Para sua grande surpresa, repentinamente tornou-se no comerciante, usufruindo de mais luxos e poder do que jamais tinha imaginado, embora fosse invejado e detestado por todos aqueles que eram menos poderosos e ricos que ele.
Um dia, um alto oficial do governo passou à sua frente na rua, carregado numa liteira de seda, acompanhado por submissos empregados e escoltado por soldados, que batiam gongos para afastar o povo. Todos, não importa quão ricos, tinham de se curvar
à sua passagem.
“Quão poderoso é este oficial!” – pensou. “Gostaria de poder ser um alto oficial!”
E então tornou-se no alto oficial, carregado na sua liteira de seda para qualquer lugar que fosse, temido e odiado pelas pessoas em seu redor.
Era um dia quente de verão e o oficial sentiu-se muito desconfortável na suada liteira de seda. Olhou para o Sol. Este fulgia orgulhoso no céu, indiferente à sua reles presença.
“Quão poderoso é o Sol!” – pensou. “Gostaria de ser o Sol!”
E tornou-se no Sol. Brilhava ferozmente, lançando os seus raios sobre tudo e todos, queimando os campos, amaldiçoado pelos fazendeiros e trabalhadores.
Mas um dia uma gigantesca nuvem negra ficou entre ele e a Terra e o seu calor não mais pôde alcançar o chão.
“Quão poderosa é a nuvem da tempestade!” – pensou. “Gostaria de ser uma nuvem!”
E tornou-se numa nuvem, inundando com chuva campos e vilas, causando temor a todos. Mas repentinamente percebeu que estava a ser empurrado para longe com uma força descomunal e soube que era o vento que o fazia.
“Quão poderoso é o vento!” – pensou. “Gostaria de ser o vento!”
Então tornou-se no vento de um furacão. Soprava as telhas dos telhados das casas, desenraizando árvores, temido e odiado por todas as criaturas da Terra.
Mas em determinado momento encontrou algo que não foi capaz de mover, não importava o quanto ele soprasse lançando rajadas de ar. Viu que o objeto era uma grande e alta rocha.
“Quão poderosa é a rocha!” – pensou. “Gostaria de ser uma rocha!”
Então tornou-se na rocha. Mais poderoso do que qualquer outra coisa na Terra, eterno, inamovível. Mas enquanto lá estava, orgulhoso pela sua força, ouviu o som de um martelo a bater num cinzel sobre uma superfície dura e sentiu-se a ser despedaçado.
“O que poderia ser mais poderoso do que uma rocha?!” – pensou, surpreso.
Olhou para baixo e eis que viu a figura de um simples quebrador de pedras.